Fundamentos Umbandistas

Uma saudação fraternal a todos leitores de nosso espaço. O estudo para todo aquele que faz da Umbanda sua religião, deve ser uma constante em sua vida. Entender para praticar de maneira sadia sua crença é de bom alvitre. Uma fé cega não é mais admitida hoje, pois como entendemos, até embasados em Kardec, uma fé raciocinada liberta.
Fato é que garimpava páginas de internet sobre Umbanda, e realmente, me coloco no lugar de um leigo, ou daquele que dá seus primeiros passos na Umbanda. Que belo emaranhado nas ideias deve ter aquele que estuda na internet.
Sabemos que a Umbanda não tem uma codificação, mas existem bases seguras para saber o que é Umbanda e o que não é: Zélio F. de Moraes foi o fundador da Umbanda, apesar de algumas correntes não aceitar Zélio e o advento do Caboclo das 7 Encruzilhadas, mas esse é outro papo. O fato é que comprovado e documentado, temos apenas esta raiz. Todas as demais teses para o surgimento da Umbanda são o que são, teses, e por que não dizer, mitos que foram criados para explicar os ritos.

Tendo então o Caboclo das 7 Encruzilhadas como o Guia espiritual que iniciou esta nobre religião, temos algumas diretrizes colocadas por ele, como:

  • Utilização de uniformes brancos;
  • Sessões de atendimento caritativas;
  • Horários pré estabelecidos para início e fim das sessões, sempre com olhar a não perturbar a ordem pública;
  • A não utilização de sacrifícios animais;
  • Crença na reencarnação, ou seja, acreditamos que mesmo após a morte do corpo físico nesse plano, nosso espírito continua vivo e pode voltar a encarnar em algum outro momento;
  • A Umbanda é uma religião mediúnica, ou seja, entendemos que a comunicação com outros planos se dá por meio de sentidos sensoriais, ao qual considera-se que todo mundo possua;
  • Crença num Deus único, por nós denominado de Olorum ou Olodumare;
  • Crença e culto aos Orixás, por nós entendidos como divindades, e ministros de Olodumare(Deus);
  • Acreditamos que através da mediunidade, nossos ancestrais divinos(Caboclos(as), Pretos(as) Velhos(as), Crianças(Erês), Exus e Pomba giras podem se comunicar e estar conosco nos momentos das sessões;
  • Não temos papas, uma codificação, nem livros sagrados, considerando que a Umbanda pode ter a contribuição de todos os livros sagrados, tornando assim, pela nossa humilde visão, a Umbanda como a religião mais universalista de todas. Ela pode conviver com todas crenças, mas mesmo assim, manter sua essência, sem ser maculada por nenhuma.

A manifestação do espírito para a caridade, aos que sabem menos ensinaremos e com os que sabem mais aprenderemos, e a nenhum espírito viraremos as costas, pois esta e a vontade do pai”;

O espírito fundador da religião (Caboclo das Sete Encruzilhadas) disse que a Umbanda deveria ter por base o Evangelho de Jesus e fazia alusão ao Cristianismo e aos ensinamentos do Cristo em suas mensagens.
Estas e outras diretrizes nos foram deixadas pelo Caboclo através de seu médium Zélio, e temos aí então um guia seguro para nos guiar em nossas práticas.
Umbanda é uma religião que tem três matrizes as quais nos dão sustentação e base:

Africanismo, e aqui podemos dizer que a Umbanda, dependendo o local onde é praticada, sofre influências da religião afro brasileira de matriz africana praticada naquela região específica, pois, Zélio, na primeira Tenda de Umbanda fundada no Brasil por este médium, teve de influência africanista muito mais pela presença da entidade conhecida por “Pai Antônio”, Preto Velho que acompanhou o médium por décadas, do que pela presença do negro que migrou das religiões africanistas para Umbanda, fato que aconteceu nas Tendas descendentes da Tenda Mãe de Zélio, e trouxeram e continuaram a faze-lo através dos tempos seus costumes, oferendas, os atabaques e demais instrumentos de percussão, e mais alguns acréscimos prestados a Umbanda.

Espiritismo, de Allan Kardec, que nos trouxe enorme contribuição na base doutrinária da Umbanda;

Herança Indígena, aonde nos chegam diversos elementos da religiosidade praticada pelos nossos antepassados desta terra, como o uso amplo das ervas nos rituais, além de pitadas de xamanismo.


Não esquecemos também das contribuições advindas do catolicismo, com a adoção do sincretismo religioso, além dos nossos altares.

Bem, até aqui fixamos as bases da Umbanda. Para aquele que busca conhecer a Umbanda, seguindo esta trilha tem alguma coisa de concreto.
Em outra postagem, vamos estar aprofundando estes conceitos.

Esperamos de maneira singela poder contribuir.

Um fraternal saravá.

1 Comment

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s